A muito tempo atrás vi um vídeo do Paulo Ignez sobre Character Design. Era um “aulão” ao vivo onde ele mostrava algumas de suas técnicas e modo de pensar.
Por causa deste vídeo, comecei a perceber character design de uma forma diferente, então sim, mais uma vez uma experiência que abriu minha mente.

Paulo Ignez passou a ser uma referência para mim, e não pelo estilo ou qualidade do trabalho, mas sim pela forma de pensar.

Em um de seus vídeos de character design pela ICS, ele fala sobre como “apurar a percepção com a natureza”, que nada mais é do que observar o que te inspira e extrair o máximo possível disso convertendo para o  seu estilo.

No vídeo, ele cita 3 principais pontos:

  • Forma
  • Direções
  • Apelo Visual

 

Forma

  • Visão periférica
    Você deve enxergar a forma como um todo, não focar em detalhes, mas sim no conjunto
  • Enxergar formas/shapes 2D não-estruturais
    Particularmente, tenho o costume de enxergar de uma forma mais estrutural, volumétrica. O que ele propõe, é que se observe primeiro em 2D (o perímetro). Volume pode ser uma outra etapa.
  • Gestalt
    Paulo Ignez sem dúvida nenhuma domina os “fundamentos do design” e aplica em absolutamente tudo.
    Na análise de forma, ele propõe que este conceito seja aplicado como correção ou solução para o design.
    Falarei sobre princípios do design voltado para character design num próximo post, ainda tenho muito estudo pela frente rs.

 

Direções

  • Flow, Gesture, Rhythm & Motion – Ritmo Anatômico
    Muitos dos conceitos de Character Design não possuem um nome específico, então quando você escuta um artista falando sobre Ritmo Anatômico, pode ser que ele esteja falando sobre Flow, Gesture, Rhythm, Motion ou Linha de Ação, que nada mais é do que a linha principal da pose do personagem, que geralmente conecta a extremidade dos membros.
  • Linhas de Dobras (tecidos)
    Cachecol, casacos, saias, vestidos, as roupas falam muito sobre a personalidade, mas além disso, as linhas geradas por elas formam silhuetas e noção de movimento, peso e etc.
    Vale a pena observar o que estas linhas e shapes formados pelos tecidos estão expressando e traduzir isso para o design.

 

Apelo Visual

  • Capturar formas ângulos interessantes
    Saias, sobretudos e vestidos médios/longos são meus favoritos nesse quesito. Roupas longas formam poucas dobras e por isso possuem um sentido bem definido, sejam curvas ou retas.
    Analisar este tipo de detalhe e saber usá-los para guiar o olho do espectador, ou ajudar no design, é onde mora a arte.

Ainda tenho muito a aprender com o Paulo Ignez, infelizmente não posso fazer o curso dele ainda, mas por enquanto vou assistindo e re-assistindo seus vídeos free no youtube e vou tomando nota de tudo que achar importante.

Até uma próxima!